Menu Fechar

A CMV

Propósito

Organizar, manter e dinamizar uma associação sem fins lucrativos, de matriz cívica e assumidamente local, que seja inclusiva, intergeracional e agregadora dos cidadãos famalicenses com uma visão holística da vida em comunidade.

Nasce agora para desenvolver uma ação transversal à atividade humana, no Concelho e na região, como forma de contribuir para:

  1. o estudo, conservação, valorização e divulgação do Património Cultural Imaterial de Vila Nova de Famalicão;
  2. o engrandecimento da memória coletiva da comunidade famalicense;
  3. a dignidade e bem-estar dos nossos concidadãos com Doença de Alzheimer ou outro tipo de demências;
  4. a promoção de uma pedagogia cívica contrária a qualquer forma de estigmatização da pessoa com demência ou défice cognitivo;
  5. a entreajuda, a disseminação de informação e a partilha de conhecimentos e experiências entre familiares e cuidadores de pessoas com Doença de Alzheimer e outras doenças neurodegenerativas, em ordem à sua orientação e capacitação;
  6. a musealização da História do Concelho e o fortalecimento das dimensões histórica, sociológica, cultural e patrimonial da marca territorial Vila Nova de Famalicão;
  7. o estímulo ao crowdfunding cultural e social e à doação cidadã, nomeadamente ao Município e/ou a instituições da sociedade civil e do Estado comprometidas com a cidadania, a cultura, a entreajuda, as práticas colaborativas entre gerações e o apoio às pessoas com défices cognitivos;
  8. a interação social, o diálogo intercultural, a formação ao longo da vida, a inclusão digital e a valorização da experiência e do conhecimento adquirido pela prática profissional como ativos pessoais e fatores de salvaguarda da memória coletiva da comunidade famalicense.

Objetivos

  • Adquirir ou arrendar um edifício com valor arquitetónico e histórico bastantes que justifiquem a sua reabilitação, numa operação que possa servir de “efeito demonstração” e leve proprietários e investidores a privilegiar a reabilitação em detrimento de novas construções;
  • Instalar nesse edifício, após reabilitação e a celebração de parcerias com organizações da sociedade civil com ação social e cultural no território, a Casa da Memória Viva de Vila Nova de Famalicão;
  • Contribuir para a comunidade expressar em vida o reconhecimento às pessoas e instituições que desenvolvam (ou tenham desenvolvido) atividade meritória para o engrandecimento e o bem-estar da comunidade famalicense;
  • Instalar e manter em funcionamento um Gabinete de Apoio às Famílias e Cuidadores de pessoas com Doença de Alzheimer e outro tipo de demências, em cooperação com a Associação Alzheimer Portugal e outras instituições e agentes comprometidos com as causas da dignidade humana;
  • Recolher, tratar, organizar e tornar acessíveis à comunidade objetos, vestuário de época, adereços, livros, fotografias, documentos e outros registos com valor historiográfico que possam contribuir para o estudo e valorização da História do Concelho, evidenciando a evolução das nossas representações sociais, costumes, tradições, gostos e trajes, desde o foral régio de D. Sancho I;
  • Apoiar e promover o estudo do papel que empresários e trabalhadores têm tido, desde a Revolução Industrial, na afirmação da centralidade económica do Concelho e na projeção da marca territorial Vila Nova de Famalicão no país e no mundo;
  • Criar e manter formatos colaborativos de aprendizagem intergeracional que promovam a inclusão digital e a disseminação do conhecimento sobre Tecnologias da Informação e da Comunicação;
  • Em complemento à oferta do Município e dos agentes sociais, culturais e educativos com atividade no território, conceber, criar e manter formatos de intervenção comunitária que concorram para a capacitação individual em áreas como História, Antropologia e Sociologia e a salvaguarda e valorização da memória coletiva;
  • Criar e manter um hub de agregação e diálogo entre técnicos de saúde e decisores institucionais com ação no território, organizações do Terceiro Sector, familiares e cuidadores de pessoas com Doença de Alzheimer e outras doenças neurodegenerativas diagnosticadas;
  • Criar, organizar e manter numa lógica de autossuficiência uma unidade económica do tipo “alfarrabista” ou “loja vintage”, capaz de receber, tratar e classificar doações, comprar e vender livros, mapas e documentos, assim com vestuário e calçado de época, e todo o tipo de memorabilia ligada ao Concelho e às gentes de Vila Nova de Famalicão.

Tarefas associativas prioritárias

  • Instalação da Casa da Memória Viva – Associação Cívica Famalicense e organização das primeiras eleições para os respetivos órgãos sociais até final de 2019;
  • Captação de sócios fundadores e promotores entre a sociedade civil, tendo em vista a constituição de um fundo social suficientemente robusto para assegurar a sustentabilidade financeira da Associação, não a tornando dependente de quaisquer poderes ou grupos de interesses;
  • Cooperação com o Município e outros agentes do Terceiro Sector e da Cultura com ação no território em projetos de empreendedorismo e inovação social;
  • Identificação de um edifício a reabilitar passível de aquisição, doação com fins específicos, usufruto ou arrendamento compaginável com o propósito e os estatutos da Associação;
  • Elaboração de uma estratégia associativa de médio prazo que tenha em conta a atual oferta comunitária na área da saúde mental, a demografia, a esperança média de vida, o Estatuto do Maior Acompanhado e os recursos públicos disponíveis para apoio à inovação social;
  • Estabelecimento de parcerias com a Associação Alzheimer Portugal e outras instituições vocacionadas para o apoio e a dignificação das pessoas com demências, unidades de saúde mental com atividade no território, decisores políticos, empresas, instituições da sociedade civil e grupos de familiares e cuidadores de pessoas com défices cognitivos;
  • Identificação das necessidades logísticas e funcionais inerentes à instalação de uma loja social do tipo “alfarrabista” capaz de se constituir como centro de proveitos da Associação.